terça-feira, 7 de julho de 2009

Viva a liberdade de expressão!

É bom saber que vivemos num país livre onde todo mundo pode dizer o que pensa.
Ainda bem que não somos todos iguais e gostamos das mesmas coisas. Já pensou? Ia ser chato!

Respeito muito a opinião de todos. Gostem ou não do filme Por Amor ao forró, gostem ou não do Falamansa, o fato é que não tivemos a intenção de falar mal de ninguém. Muito pelo contrário. Estou com a consciência limpa e não vou mais entrar em discussões preciosistas. Cansei!

Só digo que é bem triste ver uma coisa feita com um supercuidado para não magoar nenhum dos lados sendo mal interpretado assim. Quem me conhece sabe como essa história me deixou mal. Um dia, espero, todo esse rancor no coração das pessoas vai sumir e poderemos conversar sem estresse.

Vamos virar a página. Melhor assim. Aprendi muito com isso. A partir de agora vou dizer o que penso bem menos para não sair criando inimizades à toa por aí... Tô fora!

Obrigada pelas manifestações de carinho.
Adriana Caitano

6 comentários:

Anônimo disse...

Creio que assim irá crescer muito mais...

Jô disse...

não acho q vc deva calar... gostem ou nao as pessoas tem q saber respeitar a opnião alheia (assim como vc!) Seja bom ou ruim o q pensa, mas isso é vc e nada irá mudar!! ninguem é perfeito ou 100% bonzinho... saber lidar com a reação dos outros frente ao q dizemos é q mostra crescimento, nao apenas calar, mas saber lidar com as adversidades...

Tannetti disse...

Dri minha querida!!!!
Pelo contrário, vc tem que falar o que pensa, continuando com a sua intenção de não ofender a ninguém, mas assim vc vai reconhecer quem são seus verdadeiros amigos, que te amam mesmo não concordando com o que vc diz, disse ou dirá!!!
E identifica os amigos vampiros que se aproximaram de vc só pra serem elogiados, ouvir sempre sim, ou se aproveitar dos seus contatos e da sua profissão!!! E se afasta destes!!!
PENSE NISSO
Nos que te amamos de verdade!!! Estaremos sempre ao seu lado, mesmo que vc pinte o cabelo de azul =)

Tannetti

Tatiana disse...

Dri, desculpe, mas vou me manifestar, e não é apoiando incondicionalmente ninguém! Acho que essa história toda passou dos limites e os dois lados estão se infantilizando. Tá virando guerrinha de pré-escola! Não vi o filme, mas já ouvi outras pessoas falando que não viram nada nem ninguém falando mal do Falamansa. Por outro lado, acho que o Tato tem, sim, o direito de ficar chateado se, nas opiniões mostradas, o que se falou foi negativo, afinal de contas, os caras colaboraram com o filme e só foi mostrada opinião negativa, quando muitos dos forrozeiros, segundo você mesma, disseram que chegaram ao pé-de-serra pelo Falamansa. Então, por que não colocar alguém dando esse depoimento também? Agora, isso não significa dizer que o Falamansa é também pé-de-serra. Tem a mesma base, é verdade, e Luiz Gonzaga usava outros instrumentos pra fazer o som dele, também é verdade, mas dá pra perceber claramente a diferença: nesses sons mais antigos, não é o som da guitarra ou desses outros instrumentos que prevalece, ao contrário do que acontece em muitas das gravações e shows do Falamansa. Mas falando isso eu não quero criticar o Falamansa, até porque acho que nós, forrozeiros, devemos muito a eles. Se não fosse por eles, o forró não teria um décino do destaque que tem hoje. E olha que ainda temos muito o que batalhar pra mostrar a qualidade do verdadeiro forró, mas o Falamansa já quebrou várias barreiras. Mas enfim, acho que essa discussão passou dos limites e acho que você, como jornalista que tá começando, se Deus quiser, uma carreira longa e bem-sucedida, e como amante do forró, não deveria se magoar com isso, porque críticas sempre virão! Acho que você deveria, sim, se justificar e tentar amenizar a situação, sem se colocar como injustiçada, afinal de contas cada um tem seu ponto de vista! Bom, eu não quero ser uma chata na história, mas só acho que essa grande discussão que virou guerrinha é completamente desnecessária!

Anônimo disse...

Olá para todos!
Não imaginei que essa questão tomaria tal proporção afinal de contas quando eu disse que não gostei do que vi no documentário, eu NUNCA, em nenhum momento disse que era um filme ruim. Achei o DVD muito bacana, muito bem feito e só me expressei NO BLOG DA FALAMANSA,em relação ao que dizia respeito a banda, porque lá eu converso semanalmente com os fãs sobre coisas que me agradam ou chateiam. Liberdade de expressão , certo?
Deixo claro que não tenho mágoa nenhuma de ninguém envolvido no filme, muito pelo contrário, me coloco a disposição para auxiliar em trabalhos futuros, e quero que outros filmes apareçam para que o movimento cresça. Só defendi minha banda NO BLOG DA BANDA, como um pai defendendo um filho!
Se em algum momento ofendi alguém, minhas sinceras desculpas e espero cada vez mais trabalhar nossa musicalidade e nossas mensagens para agradar a todos que hoje não gostam de Falamansa!
Deus abençoe vocês e espero ser sempre digno e merecedor do respeito de todos.
Parabéns pelo blog e pelo filme.
Atenciosamente
TATO

Anônimo disse...

Isso aqui não existe. O lance é que aqui em Brasília existe um povinho preconceituoso, um grupinho fechado que acha que forró é uma coisa e pronto. Eles têm até vestimenta, dança e linguagem próprias. Huahuahuahua E vá você frequentar esses lugares com trajes fora do padrão deles...
Na verdade, eles não têm noção do que é música. Eles acham que música é só aquilo, trio pé de serra, coisa e tal.
Um abraço! E vamos em frente!

Marcelo Ganto