domingo, 6 de junho de 2010

Uma linda história de amor pelo forró

Não tinha pensado ainda em trazer algo relacionado ao Dia dos Namorados aqui pro blog, mas recebi um e-mail com uma história de amor incrível que tem tudo a ver com o assunto e com o blog. A pessoa que a escreveu - e pediu para não ser identificada, infelizmente - não teve um final feliz no relacionamento, mas por causa dele descobriu um amor que superou preconceitos e abriu-lhe uma nova dimensão. Depois dessa linda história, tirei duas conclusões:

1 - Quem vai para o forró à procura de paixões rápidas e fugidias, cuidado! Corre o risco de se apaixonar perdidamente, pelo forró.
2 - Muita gente não acredita que alguém vá para o forró para dançar, ouvir a música e fazer amigos. Para quem não é forrozeiro, é impossível não ver malícia entre um casal que dança xote com sentimento, olhinhos fechados, respiração em sintonia. Mas pasmem, isso é possível sim. Não que tudo isso não contribua para desenvolver uma atração entre os dois, claro. Acontece. Só que o forró é muito mais que isso. E só entende quem se deixa apaixonar por ele...

Leiam e se emocionem:


Guerra ao forró (autor não quis se identificar)

"Tudo começou numa festa regional em Brasília. Saímos pela primeira vez e logo alguns dias depois começamos a namorar. Tudo estava florido. Então veio o forró.

Não entendia o porquê de dançar, de ir ao forró. Para mim, era lugar de gente solteira procurando farra. E, como namorado, não pude permitir que ela fosse sozinha ao forró toda semana.

Ela dançava há 3 anos, sempre estava lá. Mas agora ela tinha um namorado - eu pensava. Não fazia sentido ficar indo para esses lugares e dançando coladinho com vários outros homens. O suor dos dois era um. Não pude aceitar isso.

Várias vezes, no começo do namoro, ela foi ao forró com amigas. Eu não ia, pois não sabia dançar nada e não ia ficar lá olhando ela com outros homens rosto com rosto.

Por várias vezes brigamos pelo forró. Toda semana eu sentia um frio na barriga quando ia chegando o dia.

Então após uma briga muito grande, pelo fato de ela querer ir ao forró, eu terminei com ela. Eu disse que não poderia aceitar isso.

Após uma conversa, no outro dia ela escolheu parar de ir ao forró. Disse que iria apenas se eu fosse. Mas eu não ia nunca.

Voltamos. Passaram-se três meses de trégua. Mas algo em seu semblante foi assassinado. Ela se tornou uma pessoa triste por dentro, mas sempre tentando fazer outras coisas para suprir essa necessidade. E eu percebi isso, mas, mesmo assim, não admiti que ela fosse ao forró.

Ela sempre me dizia que apenas ia para dançar e fazia isso apenas com os amigos. Mas para mim isso era história pra boi dormir.

De tempos em tempos ela tocava no assunto de querer ir ao forró, mas eu sempre dizia que era coisa de solteiro e que eu não iria porque não sabia dançar. E nem fazia questão de aprender.

Então, um dia resolvi ir com ela ao forró. Nunca me esqueci desse dia. Eu não dancei, fiquei apenas olhando. Quando ela dançava, parecia estar flutuando, com um sorriso tão verdadeiro que fiquei constrangido. Sua semana não era a mesma após o forró. Seu sorriso era inédito para mim.

Então comecei a perceber o que eu estava fazendo. Me senti mal. Realmente não entendia o forró. Depois disso brigamos novamente e terminamos. Dessa vez pra valer.

Então comecei a ligar os pontos na minha mente. Depois que terminamos, ela começou a ir no forró novamente. Ela parecia inabalável, forte, suprida. A felicidade voltou a ser integral na vida
dela.

Eu me perguntava como uma dança teria todo esse poder. Não entrava na minha cabeça.

Parecia que o mundo podia cair, mas o forró ainda estaria ali. Que não importava o quão difícil a semana foi, o forró trazia uma solução. Então, comecei a tentar descobrir esse poder.

Baixei músicas, via vídeos e lia blogs sobre forró. Fui numa festinha de um amigo que dançava forró e comecei a ver e entender mais sobre.

A partir daí percebi que fui um monstro e que estava matando ela aos poucos proibindo o forró. Entendi o verdadeiro sentido do forró e do forrozeiro. De verdade.

Infelizmente já era tarde pra voltarmos, mas a lição ficou pra mim. Entrei na aula de forró e estou indo pra Itaúnas em 2010.

O forró me transformou e mudou minha visão de música, cultura, vida e amizades. O forró me entende.

Hoje penso que poderia ter entendido antes. Hoje eu não aceitaria que ninguém me proibisse do forró, porque ele me completa.

Às vezes temos que perder para ganhar, mas eu agradeço por ela ter passado em minha vida e ter semeado a semente do forró.

Forró é um estilo de vida. Uma dimensão onde a realidade flutua em meus ouvidos e meus pensamentos guiam o meu corpo e alma."

8 comentários:

DJ CaDDaH disse...

Caralho esse cara mandou muito eu estou assim mais, a minha namorada dança tb ela fica com ciumis, e quer me proibir, de ir em alguns forró sem ela, ela fala que vou ficar dando em cima de geral e coisa e tals, mais, como disse mestre zinho forró pra mim é tudo vida minha minha vida e por toda vida vai ser desse jeito, eu e ela já brigamos, várias veses por causa de forró e eu me identifiquei muito com a historia. querido autor se um dia se quiser trocar umas ideias, me procura em um forró qual quer ai de brasília abraços do amigo dj caddah

Anônimo disse...

DJ CaDDaH, Sou o autor do texto e é muito bom perceber que quando compartilhamos, somamos. Será muito bom conversar contigo.

Criei um email para quem se identificar com minha história e quiser papear um pouco =) Eu senti falta de alguem para me orientar quando passei por isso. Não que eu vá solucionar, mas só de conversar já estamos ajudando ne?

Fiquem a vontade, o email que criei é forrovida@gmail.com

Não me identifiquei pelo fato de ainda ser recente esta história, espero que entendam.

Abraço

Forro Vida disse...

continuando...

Gostaria de somar com o blog da Adriana, que foi essencial para mim.

Acabei de criar um blog para falar do estilo de vida do forró e como nossa vida muda - para melhor.

Com toda licensa e todos os créditos possíveis ao blog da Adriana, que foi um dos que mais me influenciou, vou deixar o link do que eu criei e espero somar à vida de vários forrozeiros.

Blog: http://forrovida.blogspot.com

Daniel disse...

Aaaaaaaaaaaaaaaa que a gente vive isso muito nas nossas vidas em.
Quantas histórias parecidas não conhecemos?
ahahahhahahahha

Comédia pela situação inusitada e um aprendizado.

Boa sorte com a iniciada no mundo forrozístico

Cabeluda disse...

Inacreditavel as conhecidencias e momentos inusitados... ê forró, sempre nos surpreendendo!
Feliz q tenha nos compartilhado sua história e mais ainda por saber q no final pode nos compreender e fazer parte dessa familia tão apaixonada!

Parabéns!
Bem vindo a familia!

Kardok disse...

Essas situaçoes se repetem várias e várias vezes, o forró é apaixonante, mas a dança em geral tem esse poder.
Espero que tenha aprendido a lição.
Apesar de ser muito dificil de aceitar quando não se conhece "o Encanto" do forró.

Anonimo seja bem vindo a Família dos Forrozeiros.
Parabens a Adriana pelo blog

Equipe forrozeirosdodf
www.forrozeirosdodf.com.br

Lua disse...

PERFEITO!!!!
Costumo dizer que o forró é a minha religiao, ele me traz paz e renova as minhas energias, como o cara disse, posso ter inumeros problemas e dificuldades durante a semana, as o forro me faz esquecer e me traz energias boas para poder vencer cada obstaculo!

Carla Kapeny disse...

Nossa! Alguém que me compreende!!! muito boa essa história e esse blog tb, continue postando mais =]